A gestão de TI deve estar atenta a todo momento para evitar erros e criar processos eficientes e com baixo custo operacional. Quando isso ocorre, a empresa contará com uma infraestrutura de TI capaz de atender às demandas de usuários, manter equipamentos funcionamento normalmente e garantir que a sua cadeia operacional tenha um nível de integração elevado.

Nesse sentido, a melhor forma de evitar problemas é conhecendo os erros de gestão de TI mais comuns. Quer saber quais são? Então veja a nossa lista abaixo!

1. Não alinhar a gestão de TI à necessidade dos usuários

A maneira como as políticas de gestão de TI são criadas pode impactar diretamente o sucesso da estratégia comercial da empresa. Diante disso, uma das abordagens mais recomendadas por especialistas é o direcionamento de rotinas de acordo com a demanda de usuários.

Isso torna os fluxos de trabalho mais eficazes e facilita o alcance das metas empresariais a médio e longo prazo.

2. Manter projetos de TI sem controle

Muitos projetos de TI podem ter problemas durante a sua execução. Entre os principais, a falta de controle do gestor de TI pode ser um dos que causam o maior impacto, prejudicando o cumprimento de metas e a aderência a prazos.

Nesse sentido, o gestor de TI deve adotar uma postura proativa, garantindo que todas as estratégias definidas sejam seguidas pela equipe. Além disso, o escopo do projeto deve ser bem desenhado, evitando problemas de alinhamento de expectativas e considerando mudanças necessárias ao longo da execução.

Isso é importante para não causar impacto na capacidade de times para entregarem o que foi prometido. Assim, será possível garantir que o resultado do projeto seja o mais próximo possível do que foi acordado nas etapas de planejamento.

3. Possuir uma política de segurança digital fraca

A segurança digital tornou-se uma das principais preocupações de empresas de vários setores. Com o crescimento do número de ataques e de ameaças digitais, companhias precisam redobrar a atenção dada a políticas que impeçam o acesso não autorizado a arquivos, a exposição de dados a terceiros e a infecção de sistemas por meio de malwares. Dessa forma, prejuízos causados pela perda de clientes e de credibilidade são evitados.

Uma boa política de segurança digital é abrangente. Ela deve incluir regras de acesso, distribuição de recursos, uso de senhas complexas, sistemas de monitoramento e rotinas de backup. Dessa forma, é possível reforçar a infraestrutura de TI contra várias ameaças e, ao mesmo tempo, tornar sistemas mais confiáveis.

4. Não adotar indicadores de desempenho

O uso de indicadores de desempenho é uma estratégia eficiente para negócios que buscam formas de avaliar a eficiência das suas políticas de gestão. Criando mecanismos de análise, o gestor de TI consegue definir parâmetros para melhorar processos, otimizar a sua infraestrutura e rastrear gargalos operacionais com mais precisão.

Dessa forma, é possível definir se uma política de gestão torna-se mais eficiente a médio e longo prazos, agindo com mais facilidade e segurança.

5. Ignorar o outsourcing em TI como investimento

O outsourcing é uma estratégia na qual serviços de um setor são terceirizados para uma empresa especializada em TI. Ela pode gerar mais flexibilidade operacional, reduzir custos e aumentar a capacidade da empresa executar projetos de TI com agilidade.

Diante disso, gestores de TI devem sempre avaliar se a terceirização pode ser aplica em suas rotinas operacionais, gerando um fluxo de trabalho mais eficiente e preciso.

Para garantir o sucesso das estratégias para uma boa gestão de TI, é fundamental que haja uma boa capacidade de exercer uma liderança ativa sobre a sua equipe. Saiba mais sobre os impactos desse fator no nosso post sobre o tema!