O monitoramento de TI é crucial para que a empresa consiga ter uma infraestrutura de TI eficaz e com alta performance. Ao analisar constantemente o funcionamento de todos os recursos disponibilizados pelo negócio aos seus profissionais, o gestor de TI consegue avaliar quais são os pontos que necessitam de melhoria, além de identificar falhas operacionais e possíveis vulnerabilidades de segurança com maior precisão e agilidade.

Para que essa estratégia tenha um bom impacto, é crucial que a empresa consiga definir uma política de monitoramento eficiente, evitando erros comuns. Quer saber quais são eles? Então veja o nosso post de hoje!

1. Não definir o que será monitorado

Para que o monitoramento de TI seja eficaz, o gestor deve saber quais equipamentos serão monitorados, seja por meio de uma avaliação dos pontos com problemas mais frequentes ou dos que são cruciais para o funcionamento do negócio. Dessa forma, ele poderá definir uma estratégia baseada em resultados, que buscará avaliar o desempenho dos dispositivos e sistemas críticos. Consequentemente, técnicos e analistas conseguirão identificar problemas que causam impactos maiores na rotina do negócio.

2. Utilizar ferramentas de monitoramento em TI inadequadas

Uma vez definidos os pontos que serão monitorados, o gestor de TI deve investir em ferramentas de monitoramento alinhadas com os pontos que terão o desempenho avaliado. Por meio de um processo de avaliação abrangente das opções disponíveis no mercado, será possível identificar as que possuem funções mais alinhadas com as políticas de gestão do negócio e que tenham um maior retorno em médio e longo prazo. Assim, técnicos e analistas farão um monitoramento mais eficaz da infraestrutura de TI.

3. Ignorar a importância dos indicadores para o monitoramento de TI

O monitoramento de TI pode ser visto como uma ferramenta eficaz para que empresas consigam avaliar o desempenho de sua infraestrutura de TI e, assim, definir estratégias que facilitem a otimização de rotinas e políticas de gestão. Mas, para que os dados levantados possam ser avaliados criticamente, uma alternativa é a implementação de indicadores de desempenho.

Eles atuam lado a lado com os sistemas de monitoramento, para que gestores de TI consigam identificar problemas, avaliar o impactos de uma nova política de gestão ou estratégia operacional. Nesse sentido, os indicadores devem ser definidos de acordo com a realidade da infraestrutura de TI, uma vez que eles possuem um grande impacto na visão que gestores terão sobre a infraestrutura de TI.

4. Não criar alertas de desempenho

Uma das vantagens das ferramentas de monitoramento de TI é a possibilidade de técnicos e analistas direcionarem as suas atividades para outras áreas, priorizando rotinas e projetos críticos, algo que impactará diretamente nos índices de produtividade. Mas, para que isso possa ser feito com segurança, alertas de desempenho devem ser criados. Assim, profissionais de TI podem manter as suas atividades normalmente sem se preocuparem com a possibilidade de um sistema ficar sobrecarregado e ninguém notar.

Os alertas podem ser definidos de acordo com cada sistema de monitoramento. Os que atuam na infraestrutura de rede, por exemplo, podem ser configurados para identificar a sobrecarga das conexões. Por outro lado, ferramentas de segurança digital podem ser configuradas para alertas sobre contas comprometidas ou falhas graves. Dessa forma, a empresa terá não só um direcionamento de recursos mais eficaz, mas também uma grande capacidade de responder a eventuais problemas.

Gostou do nosso post e quer mais dicas para utilizar ferramentas de monitoramento de TI? Então entre em contato com um de nossos especialistas!